Antidiabético

Princípio Ativo: cloridrato de metformina

Registro M.S nº.: 1.5423.0040.

Indicação: Medicamento antidiabético de uso oral, que associado a uma dieta apropriada, é utilizado para o tratamento do diabetes tipo 2, isoladamente ou em combinação com outros antidiabéticos orais. Pode ser utilizado também para o tratamento de diabetes tipo 1 em complementação à insulinoterapia. Glicefor também está indicado a Síndrome dos Ovários Policísticos, condição caracterizada por ciclos menstruais irregulares exesso de pelos e obesidade.

Apresentação:
850mg – cx. c/ 30 comp.

Caixa de embarque: cx. padrão c/ 60 und.

Contraindicações: Hipersensibilidade à metformina ou a qualquer dos excipientes, pré-coma diabético, cetoacidose diabética, insuficiência renal, insuficiência hepática, insuficiência respiratória grave, história recente de infarto agudo do miocárdio, alcoolismo, cirurgia eletiva de grande porte. Cuidados e advertências: Recomenda-se a monitorização da função renal do paciente em uso da droga. O tratamento com metformina deve ser interrompido 48 horas antes de cirurgias ou exames radiológicos contrastados, devendo ser reiniciado somente após o paciente ter adquirido o controle da função renal. Não é recomendável em condições que possam causar a desidratação ou em pacientes que sofram infecções graves ou traumas. Em pacientes com quadro clínico de acidose metabólica sem evidências de cetoacidose, deve-se suspeitar de acidose lática. Nesse caso deve-se suspender imediatamente o medicamento e encaminhar para tratamento hospitalar. Os pacientes que fazem uso de metformina devem ter seus níveis de vitamina B12 avaliados anualmente. Não utilizar em pacientes que tenham alto risco de acidose lática e outras doenças cuja característica seja hipoxemia; deve-se contactar imediatamente o médico caso apresente dor abdominal, vômito, hiperventilação, náuseas ou mal-estar geral. Não se deve utilizar a metformina durante a gravidez. Não deve ser administrado em mulheres que estão amamentando. Idosos devem ser tratados e controlados com cautela. Reações adversas e interações: As reações adversas mais comuns são perturbações do trato gastrintestinal como vômito, inapetência, náusea, diarreias e desconforto abdominal. Muito raramente a acidose lática. Meios de contraste iodados: dependendo da função renal, a metformina tem que ser interrompida 48 horas antes do exame, ou na ocasião do exame, não devendo ser reiniciada antes de 48 horas. Não recomenda-se associação com álcool pois há aumento do risco de acidose lática no caso de intoxicação alcoólica aguda, especialmente em situações de: jejum ou má nutrição, insuficiência hepática. Cautela na administração concomitante com medicamentos com atividade hiperglicêmica intrínseca, como glicocorticoides, tetracosactida (vias sistêmica e local), agonistas beta-2, danazol, clorpromazina em altas doses de 100mg ao dia. Diuréticos, especialmente os de alça podem aumentar o risco de acidose lática devido ao seu potencial para diminuir a função renal. Os inibidores da enzima de conversão da angiotensina podem provocar uma redução nos níveis de glicose no sangue. Desta forma, o ajuste da dose de metformina poderá ser necessário durante e após a adição ou interrupção destes medicamentos. Posologia: Não existe regime posológico fixo para o tratamento da hiperglicemia no diabetes mellitus com a metformina ou qualquer outro agente farmacológico. A posologia da metformina deve ser individualizada. Não deve ser excedida a dose máxima recomendada que é de 2.550mg. Em crianças acima de 10 anos a dose máxima diária de metformina não deve exceder 2.000mg. O produto deve ser administrado de forma fracionada, junto com as refeições, iniciando-se o tratamento com doses pequenas, gradualmente aumentadas.