Prostaglandina

Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. Registro M.S.: 1.5423.0197

Cadeia Fria 2° C a 8° C

Indicação: É indicada para a redução da pressão intraocular (PIO) em pacientes com glaucoma de ângulo aberto ou hipertensão ocular, que apresentam resposta insufi- ciente à monoterapia com agentes betabloqueadores tópicos redutores da pressão intraocular.

Apresentação:
Solução oftálmica estéril – 50mcg/mL + 5mg/mL – frasco gotejador c/ 2,5mL

Caixa de embarque: cx. padrão c/ 24 und.

Contraindicações: A latanoprosta + maleato de timolol é contraindicada a pacientes com: distúrbio da reatividade da via aérea, incluindo asma brônquica ou histórico de asma brônquica e doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) grave; bradicardia sinusal, síndrome do nó sinusal, bloqueio sinoatrial, bloqueio atrioventricular de segundo ou terceiro grau não controlado por marca-passo, insuficiência cardíaca sintomática, choque cardiogênico; pacientes com hipersensibilidade conhecida a latanoprosta, maleato de timolol ou  qualquer componente da fórmula.Cuidados e advertências: A latanoprosta + maleato de timolol contem cloreto de benzalcônio, que pode ser absorvido pelas lentes de contato. As lentes de contato devem ser removidas antes da instilação da solução oftálmica e podem ser recolocados após 15minutos. A latanoprosta pode gradualmente aumentar o pigmento castanho da íris, alterar os cílios e a lanugem da pálpebra no olho tratado; essas alterações incluem aumento do comprimento, grossura, pigmentação e número de cílios ou lanugem e crescimento irregular dos cílios. Alterações dos cílios são reversíveis após a descontinuação do tratamento. Durante o tratamento com latanoprosta foi relatada a ocorrência de edema macular, incluindo edema macular cistoide. Esses relatos ocorreram, principalmente em pacientes afácicos, pseudofácicos com ruptura da cápsula posterior do cristalino, ou em pacientes com fatores de risco conhecidos para edema macular. A latanoprosta deve ser utilizada com cautela nesses pacientes. A latanoprosta deve ser utilizada com cuidado em pacientes com histórico de ceratite herpética e deve ser evitada em casos de ceratite em atividade causada pelo vírus da herpes simples e em pacientes com histórico de ceratite herpética recorrente especificamente associada com análogos da prostaglandina. O maleato de timolol deve ser utilizado com precaução em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) leve ou moderada e somente se o benefício potencial superar o risco potencial. Pacientes com distúrbios ou doenças circulatórias periféricas graves (ex.: formas graves da doença de Raynaud ou síndrome de Raynaud) devem ser tratados com cautela. O latanoprosta + maleato de timolol deve ser usado durante a gravidez somente se o benefício previsto justificar o risco potencial para o feto. O latanoprosta + maleato de timolol é um medicamento classificado na categoria C de risco de gravidez. Portanto, este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. A instilação da latanoprosta + maleato de timolol pode embaçar transitoriamente a visão. Até que isto seja resolvido, o paciente não deve dirigir ou operar máquinas. Este medicamento pode causar doping. Reações Adversas e Interações: Olhos: visão anormal, blefarite, catarata, distúrbios da conjuntiva, conjuntivite, distúrbios da córnea, defeitos na refração, hiperemia do olho, irritação do olho, dor no olho, aumento da pigmentação da íris, ceratite, fotofobia, defeito no campo visual; Sistêmico: Infecções e infestações – infecção, sinusite, infecção do trato respiratório superior; Metabolismo e nutrição – diabetes mellitus, hipercolesterolemia; Psiquiátrico – depressão; Sistema nervoso – dor de cabeça; Vascular – hipertensão; Pele e tecido subcutâneo: hipertricose, rash e distúrbios da pele; Musculoesquelético e tecido conjuntivo: artrite. Outros eventos adversos significativos que foram relatados com os componentes isolados do medicamento: latanoprosta – Olhos: irritação ocular, erosões epiteliais pontuais transitórias e edema de pálpebra; Pele e tecido subcutâneo: rash cutâneo; Sistema nervoso: tontura; Olhos: edema e erosões da córnea; alterações nos cílios e lanugem da pálpebra; irite/uveíte; edema macular, incluindo edema macular cistoide; cílios irregulares que podem causar irritação ocular; visão embaçada, fotofobia, alterações periorbitais e na pálpebra que resultam em aprofundamento do sulco da pálpebra; Sistema respiratório: asma, agravamento da asma, ataque agudo da asma e dispneia; Pele e tecido subcutâneo: escurecimento da pele da pálpebra e reação cutânea local na pálpebra; Musculoesquelético e tecido conjuntivo: dor muscular/articulação; Geral: dor torácica não específica; Infecções e infestações: ceratites herpéticas (frequência desconhecida). Maleato de timolol: Sistema imunológico: sinais e sintomas de reações alérgicas sistêmicas incluindo anafilaxia, angioedema, urticária, prurido e rash generalizado e localizado; Metabolismo e nutrição: anorexia, sintomas mascarados de hipoglicemia em pacientes diabéticos; Psiquiátrico: alterações de comportamento e distúrbios psíquicos incluindo confusão, alucinações, ansiedade, desorientação, nervosismo e perda de memória; diminuição da libido; insônia; depressão e pesadelos; Sistema nervoso: isquemia cerebral, acidente vascular cerebral, tontura, aumento dos sinais e sintomas de miastenia grave,
parestesia, sonolência, dor de cabeça e síncope; Olhos: edema macular cistoide; diminuição da sensibilidade da córnea; sinais e sintomas de irritação ocular, blefarite, ceratite, visão embaçada, olhos secos, erosão da córnea, descolamento coroidal após cirurgia de filtração, ptose e distúrbios visuais incluindo alterações refrativas e diplopia; Ouvido e labirinto: tinido; Cardíaco: arritmia, bradicardia, bloqueio atrioventricular, insuficiência cardíaca congestiva, parada cardíaca, insuficiência cardíaca, bloqueio cardíaco, palpitação e piora da angina pectoris; Vascular: claudicação, mãos e pés rios, hipotensão e fenômeno de Raynaud; Respiratório: broncoespasmo, tosse, dispneia, congestão nasal, edema pulmonar e insuficiência respiratória; Gastrintestinal: diarreia, boca seca, disgeusia, dispneia, náusea, vômito, dor abdominal e fibrose retroperitoneal; Pele e tecido subcutâneo: alopecia, pseudopenfigoide, rash cutâneo e rash psoriasiforme ou exacerbação da psoríase. Musculoesquelético e tecido conjuntivo: lúpus eritematoso sistêmico e mialgia; Sistema reprodutivo: diminuição da libido, impotência, disfunção sexual e doença de Peyronie; Geral: astenia/fadiga, dor torácica e edema. Casos de calcificação da córnea foram registrados muito raramente em associação com o uso de colírios contendo fosfato em alguns pacientes com córneas significativamente danificadas. O efeito sobre a pressão intraocular ou os feitos conhecidos dos betabloqueadores sistêmicos podem ser potencializados quando a latanoprosta + maleato de timolol é administrado a pacientes que já estão recebendo um agente bloqueador beta-adrenérgico oral e o uso de dois ou mais agentes bloqueadores betaadrenérgicos tópicos não é recomendado. Houve relatos de elevações paradoxais na PIO após administrações oftálmicas concomitantes de duas prostaglandinas análogas. Portanto, o uso de duas ou mais prostaglandinas, análogas ou derivadas não é recomendado. Relatou-se ocasionalmente midríase quando se administrou timolol e adrenalina. Efeitos betabloqueadores sistêmicos potencializados (ex.: diminuição frequência cardíaca, depressão) foram reportados durante tratamento combinado com inibidores da CYP2D6 (ex.: quinidina, fluoxetina, aroxetina) e timolol. Os agentes bloqueadores beta-adrenérgicos podem aumentar o efeito hipoglicemiante de agentes antidiabéticos. Posologia: Dose recomendada para adultos (incluindo idosos): uma gota da latanoprosta + maleato de timolol no(s) olho(s) afetado(s), umavez ao dia. Não se deve exceder a dose de uma gota da latanoprosta + maleato de timolol no olho afetado por dia uma vez que foi demonstrado que administrações mais frequentes de latanoprosta diminuem os efeitos da redução da pressão intraocular.