Prostaglandina

Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. Registro M.S.: 1.5423.0194.

Cadeia Fria 2° C a 8° C

Indicações: Indicada para a redução da pressão intraocular (PIO) elevada em pacientes com glaucoma de ângulo aberto e hipertensão ocular. A latanoprosta também está indicada para a redução da pressão intraocular elevada em pacientes pediátricos com pressão intraocular elevada e glaucoma pediátrico.

Apresentação:

Solução oftálmica estéril – 50mcg/mL (0,005%) – frasco gotejador c/ 2,5mL

Caixa de embarque: cx. padrão c/ 24 und.

Contraindicações: Pacientes que apresentam hipersensibilidade a latanoprosta ou a qualquer componente da fórmula. É contraindicada para pacientes menores de 1 ano. Cuidados e advertências: A latanoprosta contém cloreto de benzalcônio, que pode ser absorvido por lentes de contato. As lentes de contato devem ser removidas antes da instilação do colírio e podem ser recolocadas após 15 minutos. A latanoprosta pode gradualmente aumentar o pigmento castanho da íris, alterar os cílios e a lanugem da pálpebra no olho tratado. Alterações dos cílios são reversíveis após descontinuação do tratamento. A latanoprosta deve ser utilizada com cautela em pacientes com história pregressa de ceratite herpética e deve ser evitada em casos de ceratite em atividade causada pelo vírus da herpes simples e em pacientes com história de ceratite herpética recorrente especificamente associado com análogos
da prostaglandina. A instilação da latanoprosta pode embaçar transitoriamente a visão. Até que isto seja resolvido, os pacientes não devem dirigir ou operar máquinas. A latanoprosta é um medicamento classificado na categoria C de risco de gravidez. Portanto, este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. A latanoprosta e seus metabólitos podem passar para o leite materno, portanto, a latanoprosta deve ser utilizada com cautela em mulheres lactantes. Reações adversas e Interações: Ocular: irritação ocular (sensação de queimação, areia, prurido, picada e corpo estranho), blefarite, hiperemia conjuntival, dor ocular, aumento de pigmentação da íris, erosões epiteliais puntiformes transitórias e edema de pálpebra; Pele e tecido subcutâneo: rash cutâneo; Outros eventos relatados: Sistema nervoso: tontura e cefaleia; Ocular: edema e erosões da córnea, conjuntivite, alteração nos cílios e lanugem da pálpebra (aumento do comprimento, espessura, pigmentação e número), irite/uveíte, ceratite, edema macular, incluindo edema macular cistoide, cílios irregulares que podem causar irritação ocular, visão embaçada, fotofobia, alterações periorbitais e na pálpebra que resultam em aprofundamento do sulco da pálpebra; Sistema respiratório: asma, agravamento da asma, crises agudas de asma e dispneia; Pele e tecido subcutâneo: escurecimento da pele da pálpebra, reação cutânea local na pálpebra; Musculoesquelético e tecido conjuntivo: dor muscular/articulação; Geral: dor torácica não específica; Infecções e infestações: Frequência desconhecida) ceratites herpéticas; Casos de calcificação da córnea foram registrados muito raramente
em associação com o uso de colírios contendo fosfato em alguns pacientes com córneas significativamente danificadas; População pediátrica: nasofaringite e febre. Estudos in vitro mostraram que ocorre precipitação quando colírios contendo timerosal são misturados com a latanoprosta. Se tais produtos forem utilizados, o colírio deve ser administrado com um intervalo de, no mínimo, 5 minutos. Um estudo clínico de 3 meses mostrou que o efeito redutor da pressão intraocular da latanoprosta é aditivo ao dos antagonistas beta-adrenérgicos (timolol). Outros estudos de curto prazo sugerem que o efeito da latanoprosta é aditivo ao dos agonistas adrenérgicos (dipivalilepinefrina), inibidores da anidrase carbônica (acetazolamida) e, pelo menosparcialmente, ao dos agonistas
colinérgicos (pilocarpina). No caso de terapia combinada, os colírios devem ser administrados com um intervalo mínimo de 5 minutos. Houve relatos de elevações paradoxais da PIO após administrações oftálmicas concomitantes de 2 prostaglandinas análogas. Portanto, o uso de 2 ou mais prostaglandinas, análogas ou derivadas, não é recomendado. Posologia: Uso em adultos (incluindo idosos) A dose recomendada é 1gota da latanoprosta no(s) olho(s) afetado(s), uma vez ao dia. O efeito ótimo é obtido se o produto for administrado à noite. A dose da latanoprosta não deve exceder 1 dose diária, uma vez que uma administração mais frequente diminui o efeito redutor da pressão intraocular. Uso Pediátrico: A latanoprosta pode ser utilizada em pacientes pediátricos na mesma posologia que nos adultos.