Anti-inflamatório

Princípio Ativo: nimesulida

Registro M.S.: 1.5423.0013. 

Indicação: Artrite, artrose, artrite reumatoide, periartrite de ombro, bursite, periartrite, tendinite, tenossinovite, osteoartrite. Tratamento de estados febris, processos inflamatórios relacionados com a liberação de prostaglandinas, cefaleias, mialgias, alívio da dor pós-operatória, anexite, pulpite, flebite, mastite, alveolite.

Apresentações:
100mg – cx. c/ 12 cprs.
Suspensão gotas 50mg/mL frasco c/ 15mL

Caixa de embarque:
cx. padrão c/ 60 und.

Contraindicações: Hipersensibilidade conhecida aos componentes da fórmula. Cuidados e advertências: O produto deve ser administrado com cautela a pacientes com histórico de doenças hemorrágicas, portadores de afecções do trato gastrintestinal superior, em pacientes sob tratamento com anticoagulantes e outros fármacos inibidores da agregação plaquetária. Pacientes em tratamento com substâncias de limitada tolerabilidade gástrica devem ser submetidos a rigoroso controle médico. Pacientes que possuem prejuízo renal ou hepático devem fazer administração cuidadosa. O emprego não é aconselhado durante os períodos de gravidez e lactação. Pacientes idosos devem ser regularmente monitorados. A nimesulida deve ser usada com cuidado em pacientes com insuficiência cardíaca congestiva, hipertensão, prejuízo da função renal ou depleção do volume extracelular, que são altamente suscetíveis de sofrerem uma redução no fluxo sanguíneo renal. Deve ser usado com cuidado em pacientes com problemas de coagulação e em pacientes sob terapia com anticoagulantes. Pacientes com asma toleram bem a nimesulida, mas a possibilidade de precipitação de broncoespasmo não pode ser inteiramente excluída. O uso durante a gravidez e amamentação não é recomendado. Aconselha-se administrar Nisoflan após as refeições. Em casos de insuficiência renal, a posologia deve ser adaptada às necessidades de cada paciente, de acordo com os valores do filtrado glomerular. Reações adversas e interações: As reações adversas são muito raras e na maioria das vezes reversíveis. As mais frequentemente relatadas foram: rash, urticária, prurido, eritema, angioedema, casos isolados de Síndrome de Stevens-Johnson, necrólise epidérmica, náuseas, dor gástrica, dor abdominal, diarreia, constipação, estomatite, raramente úlceras pépticas, perfuração ou hemorragia gastrinestinal, alterações dos parâmetros hepáticos, casos isolados de hepatite aguda, falência hepática fulminante, sonolência, cefaleia, tonturas, vertigens, casos isolados de encefalopatia, oligúria, edema, hematúria isolada, falência renal, casos isolados de púrpura e trombocitopenia, casos isolados de reações anafiláticas como dispnéia e asma e casos isolados de hipotermia. A nimesulida tem um alto nível de ligação às proteínas plasmáticas e pode ser deslocada de seus sítios de ligação pela administração concomitante com outras drogas. A nimesulida também pode deslocar outras drogas, como ácido acetilsalicílico e metotrexato, das proteínas plasmáticas. Poucos pacientes podem apresentar um aumento do efeito anticoagulante com a varfarina. O uso de dois ou mais anti-inflamatórios não-esteroidais pode levar a um aumento dos efeitos adversos gastrintestinais. Pode haver potencialização da ação da fenitoína. Foram documentadas interações entre anti-inflamatórios não-esteroidais e lítio, metotrexato, probenecida e nimesulida. O álcool potencializa os efeitos gastrintestinais da nimesulida.  Suspensão: 1 gota por kg de peso, 2 vezes ao dia para adultos e crianças acima de 12 anos.