Indústria farmacêutica repassa respiradores, mobília e câmaras de contenção de partículas para hospitais municipais. Expansão da ala pediátrica da Santa Casa ganha tubulação de gases

 

Neste momento de pandemia da Covid-19, a Geolab, uma das maiores indústria farmacêuticas instaladas no DAIA, em Anápolis intensifica suas ações sociais e reforça o serviço de saúde pública de Anápolis com a doação de equipamentos. Uma delas foi a entrega de dois respiradores ao Hospital Evangélico Goiano, que foram destinados para uma das três UTIs locais que foi isolada para tratar apenas pacientes com Covid-19.

“Estes dois aparelhos ajudaram a compor o parque tecnológico do hospital, que ampliou a quantidade de leitos destinados para combate à doença. Foi uma parceria extremamente interessante e, por enquanto, ainda não estamos utilizando”, comemora o superintendente da instituição, Joseval dos Reis Brito, ao ressaltar que a indústria farmacêutica ainda se dispôs a doar mais respiradores.

A empresa também fará a doação de dois respiradores para o Hospital Municipal Jamel Cecílio, mas ainda está à procura dos aparelhos do mercado. Para este estabelecimento também foram entregues mais de R$ 12 mil em equipamentos de escritório, que estão sendo utilizados para a estruturação da nova UTI, que terá 10 leitos para tratamento exclusivo da Covid-19. A montagem da unidade está em fase de conclusão.

A expansão da ala pediátrica da Santa Casa de Anápolis também ganhou a tubulação de gases, que vai atender 05 enfermarias de 02 leitos; 04 apartamentos de isolamento individual; 01 Sala de Estabilização de até quatro macas e uma de Estabilização Individual. De acordo com o projeto, cada ponto pode assistir mais uma pessoa, se for preciso. A obra ainda está em andamento e deve ser concluída dentro de 12 dias para entrega da reforma completa com os gases em funcionamento. A Santa Casa explica que a enfermaria de pediatria foi transferida para outra ala do hospital. Após a pandemia da Covid-19, o espaço será transformado em maternidade com foco no parto humanizado e seguro. “É de suma importância uma empresa compromissada com a vida e a saúde se unir a esta instituição filantrópica em vista do bem das pessoas neste momento que forças se unem pela vida. Acreditamos que Deus suscita no coração de grupos empresariais esta inspiração de cuidado da vida. Obrigado à Geolab e a tantos outros que, em meio à crise vivida, conseguem vislumbrar o bem dos menos favorecidos e em situação de vulnerabilidade”, destaca o hospital.

Gerente de Marketing da Geolab, José Ribeiro Suso Junior explica que a saúde é o fator primordial que deve motivar a união, parcerias e a busca por soluções que viabilizem apoio e resultados positivos para todos, inclusive para a comunidade. “Entramos em contato com a diretoria desses hospitais para descobrir como e de que maneira poderíamos contribuir com a saúde de nosso município. Neste momento, acredito que dar as mãos e fazer a nossa parte colabora para uma maior eficácia do trabalho desses profissionais incríveis e ajuda a salvar vidas”, ressalta.

Isolamento

Para auxiliar na saúde de profissionais que trabalham na linha de frente no tratamento de pacientes com Covid-19, a Geolab repassou 12 câmaras de contenção de partículas, sendo seis unidades para Centro de Internação Norma Pizzari Gonçalves e outras seis para o Hospital Municipal Jamel Cecílio, ambos de Anápolis.

A câmara de contenção de partículas foi pensada de forma que atendesse a rapidez em sua construção e custos mínimos, de forma que garantisse a segurança do paciente e ao profissional da saúde, dando ainda ao paciente o máximo de conforto possível em sua utilização. Possui plástico rígido e transparente e tamanho sob medida da cama hospitalar para oferecer maior sensação de liberdade para o usuário. As partes superiores são fixadas à cama para maior facilidade de manipulação de medicamentos e cuidados com o paciente.

Possui duas mãos íris (como se fosse luvas) em cada lateral, com elásticos no final das pontas internas, garantindo que o ar de dentro não saia mesmo quando houver manuseio ao paciente ou mesmo fique como acesso rápido em alguma intercorrência. O sistema permite manuseio para ventilação não invasiva – VNI, e alcança 80% de vedação do ar, além de possuir filtro de umidificação da entrada do oxigênio e, em outra extremidade, um filtro HEPA, com eficiência de filtração das bactérias e vírus, munida de componentes de baixa resistência de fluxo. O local então se mantém estável tanto com gás seco quanto com presença de umidificação, prevenindo assim infeção cruzada entre paciente e o meio ambiente.

O modelo possui forma de capa, que pode ser retirada de sua estrutura para higienização e desinfecção a qualquer momento, com total facilidade, por um profissional da saúde.