Genéricos

hemitartarato de zolpidem

Hipnóticos Medicamento genérico, Lei n° 9.787 de 1999. Registro M.S. nº 1.5423.0303.

Hipnóticos

Medicamento genérico, Lei n° 9.787 de 1999.

Registro M.S. nº 1.5423.0303.

Indicações:

Tratamento agudo e de manutenção da esquizofrenia e outras psicoses, nas quais sintomas positivos e/ou sintomas negativos são proeminentes. Alívio dos sintomas afetivos secundários, comumente associados com esquizofrenia e transtornos relacionados. Monoterapia ou em combinação com lítio ou valproato, para o tratamento de episódios de mania aguda ou mistos do transtorno bipolar, com ou sem sintomas psicóticos e com ou sem ciclagem rápida. Prolonga o tempo entre os episódios e reduz as taxas de recorrência dos episódios de mania, mistos ou depressivos no transtorno bipolar.

Apresentações:

10mg – caixa c/ 20 cprs. rev.
10mg – caixa c/ 30 cprs. rev.

Caixa de embarque:

cx. padrão c/ 60 und.

Contraindicações:

Hemitartarato de zolpidem é contraindicado em pacientes com: hipersensibilidade ao zolpidem ou a qualquer um dos componentes da fórmula. Este medicamento também não deve ser utilizado por pacientes com insuficiência respiratória severa e/ou aguda, com insuficiência hepática severa ou em pacientes que apresentaram comportamento complexo de sono após tomar este medicamento. Cuidados e advertências: O zolpidem deve ser usado com cautela em pacientes com síndrome da apneia do sono e miastenia gravis. No caso de sedativos/hipnóticos com curta duração de ação, pode ocorrer o fenômeno de retirada durante intervalo de dose. Hemitartarato de zolpidem deve ser administrado em dose única e não deve ser readministrado durante a mesma noite. A menor dose diária efetiva de zolpidem deve ser empregada e não deve exceder 10 mg. Risco do uso concomitante com opioides. O uso concomitante de opioides com benzodiazepínicos ou outros fármacos hipnóticos sedativos, incluindo zolpidem, pode resultar em sedação, depressão respiratória, coma e óbito. Pacientes com doença psicótica. Hipnóticos como o zolpidem, não devem ser a medicação principal para o tratamento de pacientes psicóticos. Amnésia. Sedativos e hipnóticos como o zolpidem, podem causar amnésia anterógrada, que em geral ocorre algumas horas após administração. Ideação suicida e depressão. Vários estudos epidemiológicos demonstram um aumento da incidência de suicídio e tentativa de suicídio em pacientes com ou sem depressão, tratados com benzodiazepínicos e outros hipnóticos, incluindo zolpidem. Sonambulismo e comportamentos associados. Comportamentos complexos de sono, incluindo dormir enquanto caminha, dormir enquanto dirige, e engajar em outras atividades enquanto não estiver totalmente acordado, podem ocorrer após o primeiro ou qualquer uso subsequente deste medicamento. Tolerância: Alguns sedativos/hipnóticos como o zolpidem podem apresentar perda de eficácia dos efeitos hipnóticos após uso prolongado por algumas semanas. Dependência: O uso do zolpidem pode levar ao desenvolvimento de abuso e/ou dependência física ou psíquica. Alterações na capacidade de dirigir veículos e operar máquinas. Pacientes que dirigem veículos ou operam máquinas devem ser alertados para a possibilidade de risco de reações adversas incluindo sonolência, tempo de reação prolongado, tontura, visão borrada ou visão dupla e redução do estado de alerta e condução prejudicada na manhã seguinte à administração de zolpidem. Reações adversas e interações: Existem evidências de que as reações adversas, particularmente certas reações no SNC, estão relacionadas com a dose usada de zolpidem. Essas reações, em teoria, devem ser menores se o zolpidem é administrado imediatamente antes do paciente deitar-se ou na cama. Posologia: Hemitartarato de zolpidem age rapidamente e por isso, deve ser sempre administrado imediatamente antes de deitar ou na cama. O comprimido deve ser tomado com líquido, por via oral. O uso prolongado do zolpidem não é recomendado e a duração do tratamento deve ser a menor possível, e assim como com todos os hipnóticos, não deve ultrapassar a quatro semanas: Insônia ocasional: de 2 a 5 dias. Insônia transitória: de 2 a 3 semanas. Este medicamento contém LACTOSE. Este medicamento é contraindicado para uso por pacientes com insuficiência respiratória severa e/ ou aguda. Este medicamento é contraindicado para uso por pacientes com insuficiência hepática severa. Este medicamento é contraindicado para pacientes pediátricos. Categoria de risco na gravidez: categoria C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica.

SÓ PODE SER VENDIDO COM RETENÇÃO DA RECEITA.
VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA.